Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Notícias

Bernadete Laurindo diz que o Livro Poesias Dispersas da Acadêmica Simone de Sousa faz viajar no silêncio, leia mais

Publicação: 21/04/2021

Análise da Obra Literária de Simone de Sousa Naedzold  -  “Poesias Dispersas”


Abrir Poesias Dispersas, livro da Poetisa Simone, é entregar-se à suavidade do devaneio. Na mágica de sua poesia, “Sem sair do lugar, o pensamento viaja no silêncio e busca refúgio e equilíbrio.” Sua poesia propõe ao leitor, essa viagem ao etéreo, ao transcendente. É onde mora a alma, e a que a alma sempre aspira e por que suspira, presa que está, e exaurida “pela vida dura, pelas dificuldades do sempre [...] Essa tournée promove sensações de paz.” A Poetisa encontra “nos entremeios, nos meios das palavras, sentidos que possam se sujeitar.” Nessa sujeição em que, onipotente, Poesias Dispersas domina o universo de palavras e sentidos, o leitor “viaja [...] Sente o sangue correr nas veias [...] Percorre com os olhos seu caminho e sobe, sobe alto, voa [...]” A poesia de Simone propõe que “a solidão da vida corroída, esquecida” se transmute, numa viagem mar afora, em que o infinito é o limite do sonho, e o sonho não se prende feito crisálida, mas voeja, com asas de poesia, ”numa viagem sem fim [...], sempre voando no chão.” Bem que Poesias Dispersas prescreve receita ao leitor, porque, de poesia, Simone é Doutora. “Coloque-se sentado em uma cadeira [...] Lembre-se dos sonhos, dos pensamentos [...] O ato de pensar sempre nos leva a outro lugar. A poesia tem essa magia de nos fazer viajar sem nunca sair do lugar. Feche os olhos. Pense nas águas do mar [...] Afaste-se de você...”.
Seguindo a trilha do sonho que produz magia, que produz poesia, encontraremos um sem fim de beleza, em Poesias Dispersas, de Simone de Sousa Naedzold.

Sinop, Outono de 2021


Bernadete Crecêncio Laurindo