Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Notícias

Nyll Louie lança livro neste domingo

Publicação: 23/03/2018

O acadêmico Vinicius Dallagnol Reis (Cadeira 13), assinando com o pseudônimo de Nyll M. N. Louie, lança neste domingo (25/03), o livro de poemas “Escatolírica Nokturna”. O evento será realizado no Guadalupe Bar, a partir das 18h30min. Haverá declamação de poesias e show com a cantora Allane Carvalho.

Na definição do autor, o Escatolírica é: “um livro de vinte poemas, vinte e um poemas mais exatamente... como se esse último-não-se-sabe-onde-poema fosse um quinto dente canino que irrompe da palavra porque é preciso continuar a mastigar. EM, como posso abreviar agora, é como aqueles corpos que são triturados mil vezes e continuam a andar, a força de tanathos que insiste em não não-morrer. Uma memória incerta e vingativa, vingativa como e contra ela mesma. A primeira impressão que eu tivera para uma sinopse do livro era: uma obra que, quando a gente acorda no meio da insônia de meia noite, não exatamente a noite em meia, precisa ser lida. Talvez precisar seja um verbo muito prepotente. (“)Querer(“) também o sejam, mas é melhor.

Escatolírica Nokturna é aquele prato de comida cuja carne eu rejeitei quando li “O Jantar”, de Clarice. E essa lembrança, que talvez, com certeza, vem falsa, e me lembra de outra: Escatolírica Nokturna é um livro que comete suicídio, ou, como dito em um dos poemas, por ‘arquilogismo’, silencídio. EM é um livro de cortes, desvios, erros, tropeços, hidras e dúvida. O trem (em) que saí voando no final do filme que eu não achei. E ambíguo. Se algum dia esse filho vicejar, ― como todos os autores querem, cada qual à sua metáfora, ― que este tenha o poder destituído tal qual o que foi um dia o da autoimolação de Ryszard Siwiec, um Begotten à sua parte. Escatolírica, assim, Nokturna é um livro cansado, falta saber por quem e o porquê. Se Baudelaire um dia falou sobre a estética do feio, que venha o mais feio da estética: a gente pode recomeçar tudo de novo, e, bem, esta obra pode ser tudo, menos pessimista. Escatolírica N. É um livro que não quer ser..”

Nyll M. N. Louie

Escatolírica Nokturna é prefaciado por Aureir Brito e publicado pela Carlini & Caniato.